Jardim - Winterflor Floricultura

Girassóis: principais tipos e como cultivar

Vamos conhecer os principais tipos de girassóis e ainda descobrir como cultivá-los com sucesso? Continue a leitura e confira, eles certamente irão alegrar o seu dia 🌻

tipos de girassóis
Foto: Pixabay

Tipos de girassóis

Diferente do que muitos podem pensar, não existe apenas um tipo de girassol. Eles são encontrados em pelo menos 70 espécies, que se dividem em três grupos principais: Girassóis Altos, Girassóis Anões e Girassóis Coloridos. Então, vamos conhecer um pouco mais sobre cada um desses grupos e suas principais variedades:

 

Girassóis Altos

Eles podem atingir vários metros de altura, sendo que o maior já registrado chegou a 8,03 metros! É claro, não é tão comum que eles cheguem a alturas tão elevadas. Só algumas espécies bastante raras e que recebam cuidados muito específicos chegarão perto disso.

Os pássaros amam os Girassóis Altos, pois suas sementes são, para eles, um banquete farto. Se você pretende cultiva-los pelas sementes, será necessário instalar uma rede com pelo 5 metros de altura para proteger a plantação dos passarinhos.

Vamos conhecer alguns dos tipos de Girassóis Altos?

1- Girassol Arranha-Céu

Se tiverem o espaço e os cuidados necessários, suas alturas variam entre 3 metros a 4 metros e meio! Suas pétalas não ficam atrás, medindo em torno de 30 a 35 centímetros.

Foto: Pixabay

2- Girassol Gigante Americano

São muito populares e podem ultrapassar os 4 metros e meio. Os caules são grossos e firmes, preparados para sustentar as flores pesadas de, aproximadamente, 30 centímetros.

Foto: Pixabay

3- Girassol Mamute Russo

Este gigante e lindo girassol russo mede em torno de 3 metros e meio. Se você pretende atrair polinizadores como abelhas e borboletas, certamente esta é a melhor espécie do grupo!

Foto: gadenia.net

Girassóis Anões

Essas belezinhas são perfeitas para os jardins menores! A maioria dos Girassóis Anões não chegam a medir nem 1 metro. É possível plantá-los bem próximos uns aos outros, são de fácil cultivo e perfeitos para vasos e arranjos. Conheça 3 espécies de Girassóis Anões:

1- Girassol Sundance Kid

É um dos primeiros Girassóis Anões a serem catalogados. Medem de 30 a 60 centímetros e suas pétalas podem ter tons de amarelo e/ou vermelho.

Fotos: Getty Images, Sunsational Sunflowers.

2- Girassol Pacino

Estes pequenos e lindíssimos girassóis medem entre 30 e 40 centímetros. Produzem várias flores e botões no mesmo caule e, além disso, ficam incríveis em vasos e arranjos de verão.

tipos de girassóis
Foto: veseys.com

3- Girassol Sunny Smile

São os mais comuns entre os Girassóis Anões. Os girassóis Sunny Smile medem entre 15 e 45 centímetros e são extremamente fáceis de cuidar. Os talos são resistentes e os mini girassóis se parecem muito com uma versão em miniatura dos girassóis Gigantes Americanos.

Fotos: takii.com

Girassóis Coloridos

É verdade que, ao ouvir a palavra “girassol”, logo imaginamos a flor clássica: amarela, com o núcleo escuro cheio de sementes. Mas isso não é regra! Apesar da maior parte das variedades ter essas características, existem também variações com belos tons que de amarelo, não tem nada – ou pelo menos, quase nada. Confira:

1- Strawberry Blonde

Suas flores desbotam do branco creme para um rosa avermelhado impressionante! Suas flores são muito bonitas e os pés chegam a atingir 1,5 metros.

Foto: gardenia.net

2- Girassol Moulin Rouge

As belíssimas pétalas cor de vinho são super resistentes ao sol, ou seja, não desbotam com facilidade. São muito procuradas, e os pés costumam atingir 1,2 metros.

Foto: amazon.ca

3- Girassol Earthwalker

Com tons terrosos que variam entre marrons, vermelhos e dourados, esse girassol certamente vai chamar a atenção de quem passa! Normalmente atingem de 1,5 a 2,75 metros. São uma opção de fácil cultivo, e tem tudo a ver com a transição do seu jardim de verão para o de outono.

tipos de girassóis
Foto: higgledygarden.com

Como cultivar girassóis

Agora que você já conheceu diversos tipos diferentes da planta, é hora de aprender a cultivar seus próprios girassóis. Em geral, os cuidados com as diferentes espécies não são tão diferentes entre si. É claro, vão existir algumas variações nos cuidados, principalmente levando em consideração o tamanho da espécie escolhida. Mas não se preocupe, as dicas a seguir serão sobre o cultivo de girassóis em geral! Vamos lá?

 

Escolhendo o local

Primeiramente, é necessário ter em mente que o local precisa receber o máximo de luz solar possível. Serão necessárias de 6 a oito horas de luz solar direta, no mínimo. Isso porque, como o próprio nome diz, os girassóis amam o sol e giram para acompanhar a sua trajetória.

Tentar cuidar de um girassol dentro de casa, certamente não vai funcionar. A melhor opção é sempre cultivar em ambiente um externo, então, escolha o local com mais espaço livre do seu quintal ou jardim.

 

Preparando o solo

Antes de mais nada, você precisa preparar o solo pra receber as sementes, que deve ser fértil e bem drenado. Um solo bem drenado é aquele em que a água se infiltra com facilidade. Além disso, o solo não pode ser muito compacto, ou seja, a terra deve ser mais fofa.

Se você não tem certeza se o solo é fértil, misture com a terra um pouco de adubo de compostagem ou até mesmo adubos que sejam indicados para a plantas com floração. Sempre siga as instruções do fabricante.

 

Plantando a semente

Abra um buraco na terra de, aproximadamente, 2,5 cm de profundidade. Coloque as sementes dentro, cubra novamente com terra e regue. Mantenha o solo úmido durante todo o período de germinação, que ocorre entre 7 e 10 dias, então, após o surgimento da primeiras folhas, regue pelo menos 1 vez por dia, mas sem exageros! Água demais prejudica a planta.

Se for plantar mais de um pé, lembre-se de manter uma distância mínima de 25 a 50 centímetros de cada lado entre as plantas, assim elas têm espaço suficiente para se desenvolverem bem.

Foto: jardinierparesseux.com

Isso é tudo que você precisa saber para cultivar lindos girassóis! Eles florescem dentro de dois a três meses após a germinação, dependendo da espécie.

E lembre-se: se você quer flores bonitas por mais tampo e pretende aproveitar as sementes para novos plantios ou para outro fins, será preciso proteger a sua plantação com uma rede que permita que a luz do sol e o oxigênio entrem, mas que também impeça que os pássaros ataquem a planta em busca de alimento! Instale a rede levando em consideração o tamanho médio da planta, deixando sempre sobrar de meio a um metro para cima e para os lados.

Mas se você não se importa com as sementes e prefere atrair os passarinhos para o seu jardim, deixe-os ao ar livre mesmo. Certamente ficarão lindos!

Gostou do texto? Então acompanhe a Winterflor no Facebook e também no Instagram para ficar por dentro das novidades do mundo das plantas 😉

Até a próxima! 🍃

Como cultivar grama? Conheça 10 tipos e escolha o seu!

Quem pisa num gramado verdinho, bem aparado e refrescante muitas vezes nem imagina os cuidados que ele exige, afinal, parece que grama cresce em qualquer lugar, não é mesmo? Mas para ter um jardim bem acabado, você precisa saber como cultivar grama. E não é só deixar o mato invadir o terreno e depois aparar. É possível criar um gramado de maneira muito mais consciente e inteligente.

Existem vários tipos de grama e, cada um deles, exige cuidados e aplicações diferentes. Mas a gente vai te explicar de modo bem fácil como cada grama funciona. Assim, você pode, finalmente, dar aquele acabamento caprichado no seu quintal. Se tiver um vizinho com a grama mais verde, com certeza será a você. 🏠

Gramíneas, tipos e cuidados
Foto: Janoon028/FreePik

Quais são os tipos de grama comuns no Brasil?

Que o Brasil é um país de natureza rica, isso a maioria de nós já sabe. Mas o que pouca gente tem conhecimento é de como cultivar grama  e quais são os tipos mais comuns no nosso país. Algumas espécies são perfeitas para quem quer um ambiente para relaxar, para as crianças brincarem, para os animais rolarem. Outras, contudo, funcionam muito melhor para quem deseja que o espaço seja simplesmente decorativo. Conheça a seguir os tipos antes de escolher qual é o melhor para o seu projeto. 🌿

Grama esmeralda

A grama esmeralda é uma das mais fáceis de cuidar. Essa espécie é muito resistente ao calor, ou seja, para quem vive em lugares onde faz muito sol ou mesmo se você vai plantar num lugar mais aberto. Suas folhas são bem fininhas e ela ainda demora bastante a crescer. Sendo assim, você só precisa se preocupar com a poda de vez em quando – uma vez por mês já está ótimo.

A grama esmeralda também é um tipo sobrevivente. Além de não precisar de muito fertilizante, é firme o suficiente para aguentar o impacto do uso. Você pode aplicar tranquilamente nas áreas onde tem mais passagem de pessoas ou veículos. E, para completar, essa é uma espécie que ajuda o solo a não sofrer as erosões, algo que daria um aspecto não tão agradável.

Grama esmeralda
Grama esmeralda. Foto: Grass Seed

Grama Santo Agostinho

Você tem uma casa perto da praia e vem lutando pra saber como cuidar da grama? Pois saiba que a grama Santo Agostinho é o que você está precisando! Também conhecida pelo nome de grama inglesa, essa espécie é mais azulada e com muito mais resistência ao efeito da salinidade que vem do mar. Essa grama também resiste muito melhor às condições de frio, sombra e épocas secas. Assim como a grama esmeralda, ela cresce devagar e exige pouca nutrição.

Porém, ao contrario da grama esmeralda, essa espécie não pode ficar sendo pisoteada, ou logo logo você terá um buraco no jardim. Além disso, você precisa regar com frequência para que ela se mantenha saudável.

Santo agostinho
Grama Santo Agostinho. Foto da internet.

Grama São Carlos

Se você precisa cobrir um espaço um pouco maior, a grama São Carlos é ótima, já que tem folhas maiores dos que as dos exemplos que citamos antes. Assim como as anteriores, essa folha não tem necessidade de ficar sendo adubada para crescer. Porém, ela cresce com mais velocidade e precisa ser podada, pelo menos, a cada dez dias para não virar um matagal.

Embora a grama São Carlos não seja o ideal para lugares secos, por precisar de muito mais água, ela pode crescer formosa em locais quentes. Até mesmo solos mais encharcados criam um ambiente adequado para o cultivar essa belezinha.

Como cultivar grama São Carlos
Grama São Carlos. Foto da internet.

Grama Bermudas

Quer uma grama extremamente resistente ao pisoteio para a prática de esportes? Então você precisa da grama Bermudas, que é a mais utilizada nos campos de futebol e de golfe. A folha da Bermudas é bem fininha e, claro, para ser tão forte, precisa ser adubada pelo menos duas vezes por ano.

Você pode plantar a grama Bermudas tanto em ambientes quentes, como nos frios. O que não rola é deixá-la longe do sol. Se ficar muito sombreada, isso pode comprometer o crescimento da espécie. Além disso, você precisa se programar para aparar o rápido crescimento, que acontece a cada quinze dias.

Como cultivar grama para campo de futebol
Grama Bermudas. Foto: FreePik.

Grama Coreana

A grama coreana é uma das mais complicadas de cuidar, mas oferece um efeito estético muito interessante para decoração e paisagismo. São aquelas que tem um efeito mais aveludado e que, frequentemente, formam tufos quando crescem. Além disso, ela não é muito resistente ao pisoteio, por isso é indicada para lugares com pouca ou nenhuma circulação. Assim, ela só não é uma boa escolha, caso você precise que o gramado seja regular.

Outros cuidados que você precisa ter é cultivar essa grama em lugares quentes e úmidos, já que ela não se desenvolve bem em condições diferentes disso. A grama coreana também cresce rápido e precisa de poda a cada 10 dias.

Grama coreana
Grama coreana. Foto: Alexey Sergeev

Outros tipos de grama

As espécies a seguir não são tão comuns no Brasil, mas repare no quanto elas são lindas 😱

Grama preta
A grama preta: Foto: Tally Sally
Grama Batatais - como cultivar
Grama Batatais. Foto: Marcelo Cavallari.
Grama carpete
Grama carpete. Foto. Groundmasterls
Espécie azul de gramínea
Grama azul. Foto da internet.
Grama amendoim
Grama amendoim. Foto da internet.
Cipreste de verão
grama vermelha – cipreste de verão. Foto da internet.

Grama de gato

Deixamos esta espécie por último porque, dessa vez, não é uma grama qualquer. A grama de gato é algo que, literalmente, os felinos – e até alguns cachorros – podem comer.

Essa grama é rica em fibras e ajuda o intestino dos bichinhos a eliminar as bolinhas de pelos que, eventualmente, vão parar no organismo. Além disso, a graminha para gatos é tanto um petisco como uma diversão para o animal, o que contribui bastante para o bem estar deles.

Para quem não tem um jardim, a grama de grato pode ser comprada de maneira bem decorativa, em pequenas porções. Fica lindo e os gatos não resistem!

grama de gato
Grama de gato. Foto: Winter

E aí, gostou de saber como cultivar grama das mais variadas espécies? Você já sabia que existem tantas delas? Então conte para nós lá nas nossas redes sociais o que achou! Estamos no Facebook e, também, lá no Instagram.

Até a próxima!

 

Mundo das orquídeas: um guia para lindas flores

A beleza, complexidade e diversidade do mundo das orquídeas chama muito a atenção dos amantes das plantas e flores, não é mesmo? E por falar em diversidade, você sabia que existem pelo menos 30.000 espécies de orquídeas e 200.000 espécies que surgiram da mistura com outras flores? É realmente um universo de variedades!

Neste artigo você irá descobrir:

Continue a leitura e mergulhe conosco no particular e belo mundo das orquídeas!

orquídea rosa no jardim
Foto: Capri23auto

Como cultivar orquídeas?

Orquídeas têm uma grande capacidade de se adaptar ao ambiente, mas, com tantas espécies diferentes, você já deve imaginar que nem todas são fáceis de cuidar. Nem todas, por exemplo, se adaptam ao solo comum, naquele tipo de terra que tem na maioria dos quintais. Algumas têm suas raízes suspensas, enquanto outras criam suas raízes sobre os troncos das árvores ou de outras plantas.

Descubra qual o tipo de cultivo adequado para a orquídea que você escolheu. Assim, você poderá dar as melhores condições possíveis para ela crescer e ficar linda. Agora, vamos às dicas de cultivo:

mundo das orquídeas brancas
Foto: Winterflor

A orquídea e a água – como regar?

A umidade é importante para que a planta fique saudável e floresça. Regá-las pode ser uma experiência de tentativa e erro, mas o segredo está em observar as raízes e perceber as seguintes situações:

orquídea molhada
Foto: PEAK99

Além da rega, você pode querer borrifar água nas folhas e no caule. O ideal é fazer isso uma ou duas vezes por dia, dependendo da espécie. Se você não tem certeza sobre qual é a melhor opção para suas orquídeas, você sempre pode testar e observar qual opção funciona melhor para a sua planta 😉

Foto: Winterflor

Como a orquídea reage à luz do sol

A luz é um fator importante no cultivo de qualquer planta, portanto, não é diferente com as orquídeas. A seguir, listamos o que você precisa saber sobre as reações da espécie à luz do sol.

Foto: Winterflor

Manutenção e poda das orquídeas

Quando a orquídea atinge o pico de seu período de floração, suas novas flores duram até 12 semanas. Depois disso, elas começam a desbotar, secar e cair, o que indica que é a hora da poda. Confira as dicas de como fazer essa manutenção:

Foto: Winterflor

Lembre-se de ficar atento às características únicas de cada espécie, já que algumas podem precisar de quantidades diferentes de água, luz e nutrientes.

Fertilizantes são ideais para que a planta receba os nutrientes necessários e cresça saudável, presenteando o ambiente com suas lindas flores! Peça na floricultura a marca ideal para a sua espécie.

Os tipos de orquídeas mais fáceis de cultivar

Com tanta variedade, é fácil imaginar que, enquanto algumas orquídeas florescem naturalmente no ambiente selvagem sem a necessidade de nenhuma intervenção, outras precisam se tratadas como um filho. Para estas, os cuidados precisam ser, além de precisos, muito específicos quanto à temperatura, tipo de solo, iluminação e nível de umidade.

Para facilitar a vida de quem tem pouca ou nenhuma experiência na arte da jardinagem, listamos a seguir 3 tipos de orquídeas que são muito fáceis de cultivar.

Foto: Winterflor

Orquídea Cattleya

É uma das orquídeas mais fáceis de cultivar e ideal para iniciantes! Elas se adaptam a diferentes climas e, por isso, são encontradas por todo o Brasil em, pelo menos, 30 variações. Suas flores são perfumadas e duram de 10 a 30 dias.

Foto: DenisDoukhan

Orquídea Phalaenopsis

Também de fácil cultivo, as orquídeas phalaenopsis são as mais populares em todo o mundo. Além de se adaptarem bem a diferentes climas, têm uma grande variedade de cores. Se receberem o cuidado adequado, suas flores podem durar até 3 meses! Não é incrível?

Foto: Winterflor

Orquídea Sapatinho

Outra queridinha de quem está começando é a orquídea Paphiopedilum, mais conhecida como Orquídea Sapatinho. Ela é encontrada em, pelo menos, 96 versões. Lindas, elas florescem uma vez no ano e suas flores duram entre 6 e 8 semanas.

Foto: icon0com

Qual delas você mais amou? Nós amamos todas ❤️

As orquídeas mais raras do mundo

Essa é para os curiosos que querem aprender mais sobre o mundo das orquídeas! Afinal, conhecimento nunca é demais, certo? Conheça a seguir 3 tipos de orquídeas que estão entres as mais raras do mundo:

Foto: Orchi

Orquídea Fantasma

Devido a seu formato e cor, essa espécie é comparada a um fantasma 👻. Apesar do nome, não tem nada de assustador nessa linda orquídea, que tem flores com cheiro de maçã e é encontrada na Flórida, em Cuba e nas Bahamas. Infelizmente, essa espécie está ameaçada de extinção, por isso só compre se estiver comprometido a cuidar muito bem dela, combinado?

mundo das orquídeas raras
Foto: Prem Subrahmanyam Sr.

Paphiopedilum rothschildianum

É o tipo de orquídea sapatinho mais raro e caro que existe. Elas quase foram extintas em 1950, quando viraram febre, entretanto, hoje em dia florescem em 3 locais no monte Kinabalu, na Malásia. Eventualmente você poderá encontrá-las à venda, mas o valor certamente será alto. Igualmente, os cuidados com a planta terão que ser constantes e bem criteriosos.

mundo das orquídeas, orquídea sapatinho rara
Foto: D. Culbert

Orquídea Negra

Deixamos por último aquela que, talvez, seja a mais impressionante! Muito bela e rara, a orquídea negra, como é chamada, traz ao ambiente um ar de mistério e sofisticação inconfundíveis. Ela é resultado de vários cruzamentos entre espécies. As flores são pequenas – 4 centímetros, aproximadamente – e muito perfumadas. São muito caras e de difícil cultivo, por isso, recomendamos que ela seja cuidada, principalmente, por pessoas mais experientes.

orquídea negra rara
Foto: Petra van Ellen

Como as orquídeas podem dar vida à sua decoração

Como dissemos lá no início, o mundo das orquídeas possui vários tipos. Portanto, as opções para integrá-las à sua decoração também são quase infinitas. Confira as nossas dicas:

Foto: Marko Milivojevic

Em interiores

Se você for colocar as orquídeas dentro de casa, prefira as espécies que não precisem de muita luz ou calor. Claro, alguma luz solar indireta sempre será necessária, por isso, colocá-las sobre móveis próximos as janelas pode ser uma opção interessante e saudável.

Já pensou em enfeitar sua mesa ou estante com suas flores e livros favoritos? Essa é uma opção que mescla beleza e personalidade.

mundo das orquídeas na decoração interna
Foto: Pikist

Nos Jardins

Existem orquídeas perfeitas para trazer vida e cor ao seu jardim. Principalmente as que se beneficiam de troncos ou aquelas que vão melhor no solo. Procure deixá-las em locais onde o vento não bata com muita força. Você provavelmente não quer estragar suas lindas flores.

Os locais ideais são aqueles com abrigo nas sombras de outras plantas, mas que recebam a luz do sol da manhã. Para as casas com árvores, as orquídeas de tronco são opções lindas e acessíveis, trazendo um charme a mais para o jardim.

mundo das orquídeas no tronco
Foto: Edvaldo LL Souza

Suspensas

Essas são opções que funcionam dentro e fora de casa.  E vamos combinar? São surpreendentemente lindas! As plantas suspensas exibem lindas raízes que se tornam parte da decoração. Elas não precisam de substrato nem de um tronco, ficam assim mesmo, penduradas no ar! As mais comuns desse tipo são as orquídeas Vanda.

Foto: GAIMARD

Certamente você aprendeu algo novo sobre o mundo das orquídeas hoje, não é mesmo? Então, siga a Winterflor no Instagram e também no Facebook para ficar por dentro de mais conteúdos como este! 🌺

Árvores frutíferas: 5 espécies para ter em casa

Que as frutas fazem bem para a saúde e devem ser consumidas diariamente todos já sabem. Mas a verdade é que a vida nas grandes cidades não favorece muito esse hábito. Principalmente quando comparamos o nosso estilo de vida com aquele das pessoas que moram no interior, cujas casas têm grandes quintais, com árvores frutíferas ali mesmo. Mas quem disse que ter árvores dando frutos é impossível sem quintal? Hoje você vai conhecer 5 árvores frutíferas que podem ser cultivadas em casa, em vasos mesmo. Ficou curioso?

Pomar urbano: tendência para mais qualidade de vida

Ao andar pelas ruas de grandes cidades é possível ver em certas áreas a existência de árvores frutíferas. Algumas preservadas há anos e outras novas, que surgem da necessidade urgente tanto da sombra proporcionada por essas árvores, como da purificação do ar e das frutas em si. Afinal, quem não gosta de encontrar uma amoreira – ou pé de amora – carregado no meio de uma selva de pedra, não é mesmo?

Foto: Vivadecora.

É certo que algumas espécies de árvores frutíferas são mais comuns em lugares com mais espaço. Mas hoje, árvores como o abacateiro e a mangueira, por exemplo, já podem ser cultivadas em vasos. Vamos conhecer algumas dessas espécies?

Árvores frutíferas para cultivar em casa

A variedade de espécies que podem ser cultivadas em pequenos quintais ou até em vasos é enorme, por isso, hoje selecionamos apenas algumas. Antes de mais nada, confira a seguir a lista do que veremos nesse texto!

5 árvores frutíferas que podem ser cultivadas em vasos

  1. Amoreira
  2. Caramboleira
  3. Pé de miraculina (a famosa Fruta do milagre)
  4. Goiabeira
  5. Jabuticabeira

Agora, vamos conhecer melhor cada uma delas. Continue a leitura!

Amoreira

Em primeiro lugar, sem dúvida as amoreiras estão entre as frutíferas de maior sucesso. Com uma árvore linda e fruto saboroso, elas trazem consigo um sabor de infância.

árvores frutíferas: amoreira
Foto: Winterflor.

Existem diversos tipos de amora, como a amora vermelha (Rubus rosifolius), que é a mais comum. A branca (Morus alba), cultivada para fornecer folhas a criação do bicho-da-seda. A amora preta (Morus nigra), também conhecida como amora gigante. E a amora americana, também chamada de Blackberry.

Crédito: Pinterest.

O solo ideal para a amoreira é rico em matéria orgânica e com boa retenção de umidade, porém, nunca encharcado. Por isso, antes do plantio, é preciso preparar uma camada de drenagem, que pode ser feita com argila expandida ou pedriscos.

Além de deliciosa a amora é fácil de cuidar, por exemplo

Essa espécie se desenvolve muito bem em regiões de clima úmido e ameno, com temperaturas entre 24ºC e 28ºC. Além disso, por ser uma planta rústica e resistente, a adubação da amoreira pode ser simples.

Caramboleira

Você sabia que essa fruta com formato de estrela e sabor agridoce é originária da Índia? Mas não é só essa a curiosidade da planta! Continue a leitura e descubra…

Foto: Green me.

Essa árvore frutífera foi introduzida no Brasil em 1817, mais precisamente em Pernambuco. Isso porque a caramboleira é uma árvore de clima tropical, quente e úmido.

Logo, é uma árvore que vai bem em regiões onde a temperatura média anual é de 25ºC, com chuvas abundantes e bem distribuídas. Se não tiver tanta chuva, você terá de regar a planta tanto quanto ela precisar.

Assim como outras árvores frutíferas, a caramboleira também pode ser cultivada em vasos
Foto: Gustavo Giacon.

Dica de cuidado com a planta: mantenha o vaso da sua caramboleira livre de ervas daninhas que possam concorrer com a planta. O mesmo deve ser feito no jardim, junto do tronco.

Pé de miraculina (a famosa Fruta do milagre)

Já pensou se algo pudesse transformar os sabores amargos e ácidos em doce? Pode parecer um tanto estranho, mas é isso que essa fruta faz: milagre!

Imagem: Frutas em vasos.

A fruta do milagre é uma espécie de origem africana e que só chegou ao Brasil nos anos 2000. Atualmente essa fruta vem ganhando fama por suas propriedades benéficas à saúde.

fruta do milagre também é uma árvores frutíferas que pode ser cultivada em vaso
Imagem: Winterflor.

É uma planta que cresce lentamente e não necessita de cuidados especiais, apenas limpeza periódica para que o mato não sufoque a planta. Também não é uma árvore frutífera que necessite de podas. Do mesmo modo a adubação é simples, basta um bom composto orgânico.

A fruta em si não tem um sabor especial ou marcante. Porém, ao consumir 1 ou 2 frutos maduros, você pode chupar um limão bem azedo, comer uma cebola ou tomar uma limonada sem açúcar sem fazer careta. Então, quer arriscar?

Goiabeira

A goiaba é outra fruta com sabor de infância… Quem nunca encontrou um bicho na goiaba? Independente de traumas com o o tão famoso bicho, a verdade é que essa fruta é uma delícia!

exemplo de árvores frutíferas: goiabeira
Imagem: Winterflor.

Mas não é só isso… Além de deliciosa, a goiaba vem de uma árvore frutífera super fácil de se cultivar em casa.

Foto: Hortacasa.

A goiabeira é uma árvore frutífera que necessita de vasos de pelo menos 30 litros com camada de drenagem. Já em relação ao substrato é interessante que ele seja rico em matéria orgânica. A adubação é feita a cada 3 meses, preferencialmente adubos orgânicos. Por outro lado, em relação às regras, mantenha o substrato úmido, ou seja, nada de encharcar a goiabeira!

Imagem: O jardineiro amador.

Dica: para evitar o famoso bicho-da-goiaba basta ensacar as goiabas assim que atingirem de 2 a 3 cm de diâmetro. Contudo, é importante que se faça um rasgo na parte inferior do saquinho para que não haja umidade excessiva em seu interior.

Jabuticabeira

Jabuticaba direto do pé não é mais privilégio de quem mora no interior, nem mesmo de quem tem quintal grande. Hoje em dia podemos ter essa bela árvore frutífera também em vasos!

Crédito: SaúdeAbril.

A jabuticabeira é uma planta fácil de cuidar, ela vai bem à meia-sombra, ou seja, não necessita de sol direto; mas sim, de uma boa iluminação. Desse modo, se você não tem um espaço que receba boa iluminação natural, por morar em apartamento, por exemplo, pode compensar plantando-a em um vaso grande. Assim, você compensa oferecendo adubação com mais frequência.

Ademais, a jabuticaba é uma delícia
Imagem: Pinterest.

Em relação à rega, a jabuticabeira é uma árvore frutífera que necessita de muita água! Por isso, a rega é diária. Contudo, não é necessário encharcar a terra, ou seja, regue lentamente e observe a água ser absorvida pela terra. Molhe também o caule a as folhas pois isso ajuda a garantir uma árvore com saudável e com folhas vistosas.

Outras árvores frutíferas

A verdade é que a variedade de árvores frutíferas que podem ser cultivadas em quintais com menos espaço e até mesmo em vasos é enorme! Veja a seguir outra lista com mais alguns exemplos.

Lista de árvores frutíferas que você encontra na Winterflor

Então, gostou do texto de hoje? Qual fruta tem sabor de infância pra você? Conta pra gente nos comentários!

E lembre-se, para deixar sua casa sempre bem decorada e suas plantas sempre bonitas, acompanhe o perfil da Winterflor no Instagram e também no Facebook!

Até a próxima! 🌿